quinta-feira, 31 de março de 2011

ESCREVO OU NÃO ESCREVO?

MANOEL HERCULANO


Era uma vez um poeta, um poema e a dúvida do talvez
Ele contava até três e se perguntava:
Escrevo ou não escrevo?
Se atreveu e escreveu até em alto relevo
Hoje eu sou caminho para o que sinto, o que ouço
Sou igualzinho à prosa nossa de cada dia
Eis-me aqui, criança, velho, moço
Esperança em carne e osso e poesia
Pois existe em mim o que fala grosso
O que canta, o que planta, o que assovia
Vai por mim, é fácil assim, não é profecia, é poesia
Provoque as palavras, misture as letras
Convoque as frases, costure relações estreitas
Contudo, o que você não sabe e tudo o que eu não sei
Aprendemos quando descemos para o play
E caímos na folia de criar versos com melodia
Porque para se fazer a lição da poesia
Só carecemos de uma poção de inspiração
E muita, muita teimosia


---------------------------------------------------------------------------------
*** Fechando o mês de março, estou postando este poema ainda em homenagem aos dias da poesia. São 3h da manhã do dia 01 de abril (meu mês). É verdade... Até breve!

3 comentários:

Marisa Vieira disse...

Brilhante, como sempre Herculano!
PARABÉNS!
beijodamarisa

O Bolinho disse...

dá até coragem na gente de escrever poesia....

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

Atreva-te, sempre.