segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

QUANDOS

MANOEL HERCULANO

Quando perguntam quem sou eu na fila do pão
lembro que já fiquei um tempão sem tê-lo à mesa
apesar da minha descendência francesa
Então, respaldado pelo idioma maranhês
respondo en passant
na fila do pão francês
não sou nada menos que croissant

Quando me dão uma rasteira
e eu caio e me quebro
não fico na esteira
sempre me saio como um requebro
Encaro a calmaria, o impacto
e nesta romaria, neste pacto
mostro que quando me quebro não viro caco
eu viro cacto

Quando tentam me reduzir a cocô do cavalo do bandido
eu, sem dar um coice nem latido
como pessoa quase ótima que sou
com todo respeito ao agressor
honro o nome Manoel
Cito minha conterrânea dizendo que não sou um qualquer
porque, sabe como é, nascido em Santa Isabel
mesmo se fosse um cocô
eu seria Coco Chanel

---------------------------------------------------
***** Fui rápido desta vez, começando 2018,
poema em minha homenagem (desculpa, Papa
Francisco)... rsrs. QUANDOS, que tal? Um
Ano Novo iluminado com saúde, prosperidade,
poesia, paz e bem. São 14h do dia 01/01/2018.
Gratidão! 

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

QUAL É O ASSUNTO?

MANOEL HERCULANO

Oi!
O quê?
Do que se trata?
Não que eu queira questionar você
o poema não necessita de um porquê
Mas ainda que a poesia campeã seja grata
e o poeta não seja fã do terno e gravata
se a medalha não é de ouro nem bronze
mesmo com licença poética
minha intuição profética assegura que é de prata
Pouco importa se é adjetivo ou adjunto
se é apenas uma obra ou o conjunto
se sou eu que respondo ou que pergunto
só preciso descobrir qual é o assunto
Não, exatamente, para entender
Talvez, simplesmente, para pretender me situar
e não me perder viajando para outro lugar
Também não quero que o poema se cale
ele carece de quem o escreva, quem o fale
Não é pelo simples fato da pessoa não ser uma Maria Callas
que direi estupefato: por que não te calas?
Pode-se falar sobre qualquer objeto, objetivo
um poema abjeto, abstrato, concreto, provocativo
paz e amor, de humor, tudo junto, tamo junto
mas por favor, qual é o assunto?
Peço que me entenda
só quero um verso que venha clarear
porém, se for sobre imposto de renda
nada a declarar
Eu não gosto de dar trabalho
e até quando me espalho
eu mesmo me ajunto
Portanto, desculpa a insistência
a falta de paciência
é que com o tempo, às vezes, pouco é muito
Então, para não correr riscos
e num emaranhado de rabiscos
confundir mortadela com presunto
pelo amor de Deus, qual é o assunto?

----------------------------------------------------------------------------------

***** Ô DE CASA!... Estou de volta, após muito tempo sem postar, 
estava/estou trabalhando/vendendo o LIVRO. Bem, voltei com este
poema escrito recentemente, já que tenho vários outros inacabados,
ideias anteriores, mas há muito tempo que ouço a seguinte pergunta:
qual é o assunto? Não sei se devo citar nomes mas, Leila Oli... rs.
Então decidi e consegui (será?) colocar um ponto final e postá-lo, 
torço para que gostem, é na linha do humor, claro. São 18h (o sino 
está tocando ali na Igreja Santo Antônio, amém!), horário de verão, 
do dia 13/12/2017. Meu agradecimento e abraços para todas/todos
visitantes. Salve, salve!

PS. Meu livro Ô DE CASA RIO MARANHÃO continua à venda

comigo, está indo muito bem, graças a Deus e a vocês que gostam
do meu trabalho. Grato! 

domingo, 1 de outubro de 2017

AMIGOS, em breve postarei novo poema, estou trabalhando alguns... Demorei bastante desta vez, mas é porque estou divulgando/vendendo o livro... Enfim, leiam os poemas aqui, leiam o meu livro Ô DE CASA - RIO MARANHÃO, à venda comigo. Fale pelo Facebook, in box, ou pelo e-mail: poetaherculano@gmail.com

Muito obrigado! Abraços.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

SOBRE O LIVRO

Ô DE CASA - RIO MARANHÃO, meu primeiro livro, foi lançado com sucesso, numa noite espetacular, dia 5.4.2017 no CCJF, e está na praça, sendo vendido por mim. Se você deseja adquirir um exemplar, fale comigo no Facebook ou por e-mail: poetaherculano@gmail.com
Ah, tem camiseta da POEME-SE também, com meu verso: "E se a vida é uma escola, então vai ter que ter recreio". Peça a sua!
E agora que tal ler minha postagem mais recente aqui no Blog? Está logo abaixo. Grande abraço!

PRÓXIMA ESTAÇÃO

MANOEL HERCULANO


Piuí, piuí, Piauí, peraí, ainda não é aí
é na próxima estação
ali no Maranhão
Mas o coração não se contém
já não cabe na cabine deste trem
e tudo certo, tudo bem
tem sido assim desde Belém
A poesia deita e rola no trilho
e nos olhos outro brilho
emoção além, a perder de vista, a mil e cem
Trem azul, trem da alegria, trem bom
trem das onze que apita ao passar por Timon
E passa tudo diante das vistas da janela
passa ela
e o trem fica mais cheio de graça
quando cruza com a Maria Fumaça
Os enamorados pegam fogo
jogam mais lenha na fogueira
uns perdem a voz
outros desenvolvem gagueira
Diante daquela paisagem pintada quadro a quadro
a seca, as cercas, a pastagem
quem ama vê beleza ao quadrado
Há sempre uma flor solitária embelezando a área
um pássaro cantante e poeta o bastante
uma lua para banhar tudo e todos sem distinção
uma residência, uma resistência
um apito, um grito
uma denúncia de extinção
Tantos lugares revisitados
olhares requisitados
que o azul vira azulejo
minha amada, há quanto tempo não te vejo
Por isso voltei ao passado
para dizer que ao teu lado meu rio é todo mar
e que o verbo amar tinha outro valor
quando eu chegava de trem na Ilha do Amor

----------------------------------------------------------

Estou de volta, após lançamento do meu livro
"Ô DE CASA - RIO MARANHÃO" que agora
anda comigo por aí, quem vai querer?... E com
este poema (mais um sobre trem) que entrou na
Antologia "O trem e o imaginário IV" a pedido
da querida Lydia Simonato. Participei de três:
Tempos de trem, RJ 450, e agora com este que,
sendo cobrado, enviei de última hora, mas acho
que ficou bom, resolvi postar aqui, deve entrar no
meu próximo livro com outros poemas daqui que
não entraram no "Ô de casa...", primeiro livro.
Bem, eu quero agradecer muito as visitas aqui no
Blog, têm me surpreendido. Muitos poemas estão
no livro, principalmente os que fazem parte do
espetáculo que apresento. Então leia o Blog,
compre o livro, assista/contrate o espetáculo.
Obrigado! CONTATO: poetaherculano@gmail.com
Agora é 1:20h do dia 21.04.2017, feriado... E dia
25 é meu niver, vou comemorar e lançar o livro
no Corujão da Poesia. Viva! Dia 5 foi Liiindo!!!
Abraços e beijos.
MH    



sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

SOBRE O LIVRO

Ô DE CASA - RIO MARANHÃO 
Lançamento! 

Queridos amigas e amigos,
admiradoras e admiradores da minha poesia,
agradeço por não terem desistido de mim,
digo, do meu livro. Você que reservou, que pergunta, aguarde um pouquinho mais, o lançamento será em abril, mês em que também faço aniversário. Dia 5/4, das 18 às 21h,
no CCJF - Centro Cultural da Justiça Federal,
Av. Rio Branco, 241 - Centro, RJ.
Até lá! Já tem evento no Facebook.                                                     Muito obrigado! Abraços.                                                                   MHerculano
               
PS.1: Já foi lançada minha camiseta POEME-SE,
          com o verso "E se a vida é uma Escola,
          então vai ter que ter recreio". 
          Veja no Facebook.
PS.2: Por enquanto, leia os poemas aqui no Blog.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

JUSTIÇA É A SENHA

MANOEL HERCULANO

Nobre colega, data venia
o poema alega, justiça é a senha
E se dona Poesia tem direito
se é de direito
eu quero fazer direito
Ciente que há defesas e acusações
prazos, versos, petições
e tantas outras mil razões
Não me faço de rogado
vou muito bem, obrigado
Mas senhor promotor
além do meu santo protetor
cadê meu advogado?
Advocacia é vocação, caro poeta
é mover ação
estudar o bê-a-bá, o abc, a OAB
Então, senhor juiz
diga-me o que a lei nos diz
e vamos ao processo, sem retrocesso
Porém, antes da sentença
peço a palavra, sua excelência
Defendo o que acredito
este é meu veredicto
Se alguém tropeça, faz-se uma peça
e eu não juro nem diante do júri
A questão é judicial
uma boa causa não se humilha
todo julgamento é crucial
nem toda vara é de família
No Fórum, no escritório, na dificuldade
no gabinete, na Faculdade, viva a liberdade!
E assim vou às barras dos Tribunais
sem o desaforo do ´foro privilegiado`
procurador dos ´somos todos iguais`
e de quem continua sendo desprestigiado
Com um verídico termo jurídico
solicito um hábil habeas corpus
para os arautos que dão uma gravata na correria
porque hoje nos autos consta defender a poesia

---------------------------------------------------- 
***** De volta com este poema que escrevi há algum tempo (ano
passado), homenagem aos advogados, especialmente os bons e
honestos, bem oportuno para o momento. Quero agradecer pelas
visitas aqui no Blog, confesso que estou surpreso, há dias em
que o número de visitas é quase igual ao que eu tinha por mês
tempos atrás, sendo que uma grande quantidade vem dos EUA?!
Não entendi ainda... Quanto ao LIVRO, estou na expectativa...
Muito obrigado! São 12:50h do dia 24.01.2017. Começando o
ano. Paz e Bem! Abraços.