sábado, 31 de janeiro de 2009

B O C A S

MANOEL HERCULANO

Dei um beijo na boca da noite, um senhor beijo, no capricho
Igual àqueles que eram dados por artistas na boca do lixo
Bocas que nunca beijei, beijos que só vi no cinema, na TV
E já nem sei se eram bocas carnudas, mudas, se era você
Beijar a boca do sapo que não vira príncipe, um sopapo e adeus realeza
Colocar um nome na boca do sapo, em síntese: que papo, que pobreza!
Tanto quanto boca de fumo, triste consumo, resumo: tristeza
Bate-boca, boca maldita, não leva a nada, quem mais acredita?
Boca a boca, boca nervosa, gulosa, cair de boca, a gula explica
Nem boca de ouro, nem boca banguela, eu prefiro aquela
A boca que beijei na juventude, cheio de atitude, e insegurança
Apenas uma criança na boca do lobo, do vulcão, boca de fogo
Bocas ardentes no palco da vida, amadores na boca de cena
Cenas quentes, boca atrevida, sedutores, boca obscena
Cenas fortes, sem ensaio, sem cortes, água no céu da sua boca
Mas não sou para o seu bico, eu explico: caí nas garras de uma cabocla
Com ela eu vou, eu fico, não escapo, junto os trapos, dou sopa
E sem bocejar, sem demora, sem falar só da boca pra fora
Ser abocanhado por uma bocarra e ainda fazer farra, seria o cúmulo
Cair na boca do povo que diz: boca de siri, minha boca é um túmulo
Mas não quero ser apenas um bom bocado, um pitéu para sua bocaça
Eu quero desembocar desbocado em seus lábios de mel, minha cachaça
E lamber os beiços, deixar cair o queixo, e até a roupa eu deixo
Vamos deixar de tolice, não me deixe aqui, assim, à míngua
Sacie esta minha gulodice de falar, falar e falar a sua língua
Por favor, não ponham palavras na minha boca, não cala-te boca
Nem tirem o pão, o queijo, o beijo da minha boca, será a forca!

--------------------------------------------------------------

Obs: Enfim, o famoso "Bocas". Faz sucesso no Espetáculo, no Castelinho e onde quer que eu o fale, inclusive no CORUJÃO da POESIA, na Letras & Expressões do Leblon. Apareça lá, toda terça-feira, a partir de meia-noite. Mas antes tem o CORUJINHA, no Restaurante Pronto, começa entre 21 e 22h.

OBS/Dez/2009: o Corujinha já não existe, faz tempo!...

Um comentário:

Victor disse...

Que bocas são essas, incapazes de dizer. Belo trabalho. Palmas. Palmas. E muitas Palmas.