quarta-feira, 10 de agosto de 2011

TODOS SÃO POETAS NA PRAÇA

MANOEL HERCULANO


Meus senhores e senhoras/ Poemas de todas as horas
Podem entrar que a casa é sua/ Estamos no olho da rua
Mas se a praça é do povo/ Vamos voltar lá de novo
Beber poesia na taça/ Todos são poetas na praça

Eu vim de lá já bem grandinho/ Sem essa de dar um jeitinho
Entro e saio sem arranhão/ Sou Ilha e mar, sou Maranhão
A minha prosa acontece/ Quando um verso o outro tece
E transbordam peito e taça/ Todos são poetas na praça

Meus amores e memórias/ Guardadores de histórias
Protetores dos saraus/ Dos poetas no seu caos
O poeta é um portador/ Que com seu verso encantador
Brinda levantando a taça/ Todos são poetas na praça


---------------------------------------------------------------
*** Voltei. São 3:15h da manhã do dia 11/08/2011. Bem, este poema eu canto também, na verdade só existia a primeira parte, recentemente fiz mais duas, e aqui está. Aguardo os comentários... Até!

2 comentários:

Fel Literário disse...

Você canta em ritmo de Boi? Me lembrou papete e arraial do pavulagem (Belém)

Alexsandro S. C. disse...

Lindo, Herculano!
Dos poetas mais admirados cá pelo pessoal da Nobel Downtown.
Abraços,
Alex.