terça-feira, 24 de janeiro de 2012

POEMAS SÃO DESTINOS

MANOEL HERCULANO

Há poemas crioulos e crioulinhos/ E poemas que não estão no mapa
Nascem na ladeira dos pelourinhos/ Ou em qualquer esquina da Lapa
Há poemas que nascem lá em casa/ E outros que são filhos da rua
Poemas trazidos pela NASA/ Mas que só nascem em noite de lua

Os poemas são destinos/ Meninos cumprindo sinas
Poemas são desatinos/ No coração das meninas      (bis)

Há poemas que custam a crescer/ E os que não nascem nem à tapa
Poemas que nos fazem renascer/ E poemas que já nascem capa
Meus poemas nascem qualquer hora/ Da meia noite ao meio dia
Uns chegam cantando vitória/ Com a sua própria melodia

Os poemas são destinos/ Meninos cumprindo sinas
Poemas são desatinos/ No coração das meninas      (bis)

Há poemas corujas e corujões/ E poemas que não cabem em si
Filhos de Jorge e outras regiões/ Cheios de vida em mim e em ti
Há poemas que são ludovicenses/ Nascem entre paredes e azulejos
Sob os lençóis maranhenses/ No calor de abraços e beijos

Os poemas são destinos/ Meninos cumprindo sinas
Poemas são desatinos/ No coração das meninas      (bis)


-------------------------------------------------------------------------------
*** Oba, voltei! E com este poema, mais um para ser cantado. Depois que o escrevi comecei a ler "Os tambores de São Luís" (Josué Montello), e tive que mexer... Mas acho que está pronto, e gostei. São 23h de 24/01/2012 (estou na casa da Myriam). Se possível, comentem. Obrigado! Abraços e beijos.  

4 comentários:

Erivelto Reis - Poemas e Crônicas disse...

Manoel, bom poema e boa leitura de "Os tambores de São Luís". Abraços. Seu amigo Erivelto.

Norma Li disse...

São Luís vai sentir muito orgulho desse moço!

Eny Pires disse...

Puxa, Herculano!
Você está cada vez melhor, se é que é possível...
Como sempre me emocionei.
Beijo,
Eny

Manoel Herculano disse...

Só agradecer a vocês e pedir que voltem sempre! Abraços.